Os 6 Maiores Erros sobre Branding que as Startups Cometem

O Branding é uma base central para qualquer tipo de estratégia de marketing. Serve como um fator agregador para a identidade da sua empresa, a sua marca é geralmente responsável pelas primeiras impressões, por construir familiaridade com o público-alvo, aumentar a sua reputação e, por último, assegurar a lealdade dos seus consumidores no longo prazo. Sem uma identidade, sua empresa não se distinguirá dos seus concorrentes e mesmo com um sólido modelo de negócios, é improvável que a aquisição dos clientes e a sua manutenção serão positivas.

Branding talvez seja ainda mais significante se a sua empresa é uma startup, quando a sua reputação é inexistente, suas pesquisas e conquistas são limitadas, e sua empresa inteira viverá ou morrerá por meio do quão lucrativo a sua empresa será. Infelizmente, muitas startups morrem fazendo um ou mais desses seis significantes erros de branding, que comprometem suas chances de sucesso no mercado.

Listamos esses seis erros e esperamos que você já tenha superado cada um deles ou sequer ter passado por eles:

>>>2ª Ed. Workshop – O Poder do Branding para as Empresas – 09 e 10 de Junho.

1) Não ter uma marca.

Você ficaria surpreso com a quantidade de startups que criam seus negócios sem ter uma marca. Ou pior ainda, empreendedores que gastam minutos ou nada na construção de uma marca para seus próprios negócios. Uma demanda realmente necessária para a construção de uma marca imponente requer esforços importantes, incluindo pesquisas em concorrentes, pesquisa de mercado, brainstorming criativo e várias rodadas de desenvolvimento. Esse processo não é algo que você possa improvisar e não é algo que você pode procrastinar também. Esse trabalho precisa ser uma das suas principais entregas da sua empresa e com isso, sua dedicação com tempo e dinheiro nesse momento tornará o branding da sua empresa ainda mais significativo.

2) Ser inconsistente.

Simplesmente tendo um punhado guias e padrões de marcas estabelecidas não será o suficiente para garantir algum tipo de nível aceitável de sucesso para a gestão da sua marca. O livro que guia os fundamentos da sua marca é meramente um suporte para a sua equipe; você ainda terá que tirar o que está inscrito de lá do papel e executar de fato. Um dos maiores fatores de sucesso da marca é a consistência – aderindo seus padrões de marcas a qualquer tipo de estratégia de marketing nos mais variados canais que você planejar. Esse é o único jeito que seus clientes se tornarão mais familiarizados com a sua marca com o tempo, e nenhum desvio poderá comprometer a consistência dessa experiência.

3) Copiar outra marca (ou marcas).

Quando você está rabiscando a criação de uma marca, você provavelmente irá olhar outras empresas para se inspirar, incluindo seus concorrentes e marcas que você admira. Considerando essa estratégia de construção, você ficará louco para absorver algumas das qualidades que fizeram essas marcas se tornarem um sucesso. Até certo ponto, é uma boa ideia e resume-se a importância de fazer uma pesquisa de mercado acima de tudo. Porém, você não pode simplesmente copiar outras marcas e esperar que os mesmos resultados aconteçam com você. Diferenciação é a chave para o seu sucesso.

4) Esquecer a cultura.

Branding não é apenas uma máscara que a sua empresa veste quando está prospectando e negociando com clientes no mercado. Ela deveria servir como uma base para construir a sua própria cultura interna na sua empresa. Por exemplo, se a sua empresa nasceu com a intenção de ser íntima das pessoas, amigável e criativa, você precisa criar um ambiente interno que encoraje e demonstre essas mesmas qualidades. Neste sentido, os representantes da sua marca, seus vendedores e outros clientes ligados à sua marca, possam reagir de acordo com as guidelines da sua marca. O resultado será um trabalho no qual você verá uma alta retenção de colaboradores como um bônus na sua gestão.

5) Negligenciando vozes.

Muitos empreendedores novatos tem o pré-conceito que a marca da sua empresa refere-se aos elementos visuais ou a pequenas identificações no seu negócio, como o nome da empresa, o slogan, a logo e algumas cores ligadas a sua empresa. Entretanto, a voz da sua empresa é muito importante. Você conversará com o seu público-alvo de forma informal ou mais tradicional? Como você irá construir conteúdos nos seus canais online, como blogs e redes sociais? Com quem você irá querer conversar e que tipo de tom ou diálogo você vai querer ouvir? Esses são elementos importantes que identificarão a sua marca e que não poderão ser negligenciados.

6) Omitindo sua marca pessoal.

Marca pessoal, nem sempre, é algo necessário, mas eles podem ser um ativo importantíssimo na construção da sua estratégia de branding. A maioria das pessoas não confiam em marcas sem sentimentos, mesmo aquelas que essas pessoas estão engajadas por vários anos. Em vez disso, pessoas confiam em outras pessoas. Eles confiam em nomes, rostos e personalidades experts do setor. O melhor jeito de engajar com esses clientes em potencial é não usar um posicionamento muito institucional e direto, mas sim utilizando abordagens e referências de pessoas ligadas a sua marca que traduzirão melhor a proposta de valor para os seus clientes. Por exemplo, o seu CEO ou o responsável pela equipe de vendas poderiam desenvolver suas próprias personalidades online para aumentar o poder do branding institucional que eles compartilham em comum.

Você não pode ter uma campanha de marketing de sucesso, seja online ou offline, a menos que você tenha um branding eficiente dentro e fora da sua empresa. Isso irá servir como um fundamento para incontáveis estratégias para a sua empresa, portanto gaste tempo se dedicando para transformar a sua marca em um ativo focado em longo prazo. Evitando esses erros você não irá garantir o sucesso, mas eles irão te ajudar a evitar algum dos mais comuns tropeços para startups quanto a gestão de marcas. Assim, comece com o pé direito independente da campanha de marketing que você escolher.

Fonte: Entrepreneur.com